Notícias

No Meta - Entrevista com Gratis 150ml

Por: Gabriel 'Arddhu' Gastaldo - GameHall - 26/10/2016 01:15:04
No Meta - Entrevista com Gratis 150ml

Um dos streamers mais conhecidos do Brasil, Gratis 150ml é conhecido pelo grande público principalmente por utilizar campeões que não são a prioridade do competitivo, nem mesmo figuram nas “tier list” de cada patch como os mais fortes naquele momento, os famosos campeões “fora do meta”, ou, como ele levanta a bandeira “No Meta”.

Como recentemente tivemos o tão falado pick de Miss Fortune pela ROX, conseguindo tirar dois jogos da SKT, que tal conversar um pouco com ele sobre isso, sobre sua visão de jogo e tentar extrair disso algo interessante para o cenário? Enfim, vamos lá!

1. Apresente-se para os nossos leitores, quem é o “Gratis 150ml”?

Olá a todos, meu nome é Luca Baptistella, sou formado em arquitetura e urbanismo, jogo lol desde o beta e sou streamer profissional pela Twitch.

2. De onde veio a ideia de “No Meta”?

Sempre gostei de inventar e me divertir com builds itens talentos, isso sempre aconteceu em todos jogos que joguei, dota, wow, etc. Não gosto de copiar o que está sendo feito por aí, prefiro seguir o meu caminho pensando no porquê de cada escolha que eu faço.

3. Qual é a sua opinião sobre o “meta”, especialmente o meta atual?

Na minha opinião meta = moda. Acho que cada região tem uma característica diferente da outra e, a região que tenta copiar o que a outra está fazendo, sempre é mais fraca. É por isso que eu valorizo tanto meu trabalho de No Meta. Existem tantas táticas, builds, counter picks, pocket picks que não são usados e podem ser explorados... basta ter um pouco de coragem e criatividade. Por exemplo a Miss Fortune suporte que foi usada no mundial. Eu joguei de MF suporte durante mto tempo na SoloQ do Brasil e sempre falei que era muito forte.

4. Quão importante e impactante você acha que é o “No Meta” em um panorama geral?

Eu não vejo esse jogo da maneira tradicional. Por exemplo, adoro jogar de Sion mid e defendo que ele é melhor no mid que no top, diferente da tradicional visão de que, pelo fato dele ser tank, obrigatoriamente tem de ser jogado no top. Claro que isso só é viável com as builds, runas, itens e táticas corretas. Eu defendo que o Brasil só vai ter uma chance real de se dar bem no mundial quando acreditarmos mais no nosso meta, conseguirmos chega lá fora e mostrar o que temos de bom dentro do nosso servidor. Táticas exclusivas BR.

5. Falando em táticas exclusivas, você mencionou a Miss Fortune Suporte, o que achou da MF da ROX, que deu bastante trabalho para a SKT chegando a tirar dois jogos dela e até a conquistar ban?

Fiquei muito feliz em ver um pick caraterístico meu no mundial. Uma escolha não convencional bem executada pode pegar seu inimigo de calças curtas pois eles nem sempre saberão como se comportar em relação a isso. Por esse motivo a estratégia dos picks "No Meta" é um artifício muito poderoso, vimos isso claramente com a MF Suporte.

6. O que diferencia um troll pick de um pick fora do meta, mas funcional?

O "troll pick" é quando você não sabe jogar com aquele pick naquela lane. Por exemplo, eu sei jogar com o Zed no mid, mas se eu vou no Top com ele eu trollo, principalmente por não ter tanta noção dos match-ups. Eu costumo dizer que não existe meta porém cada um tem um meta interior.

7. Você acha então que a questão de meta está mais ligada ao jogador do que ao jogo em si? Como isso se relacionaria com o competitivo?

Com certeza, tanto que existem os bans target em um jogador chave no competitivo, por isso os times que só sabem copiar até passam da fase de grupo, mas quando chegam nas oitavas de final tomam um stomp. Isso acontece por não terem suas próprias táticas já que cada jogador deveria desenvolver seu próprio meta, ter uma carta na manga, um pick que ninguém espera. Resumindo, se você da ban no competitivo, porque o campeão está poderoso, você não sabe o que está fazendo. O draft do competitivo é um jogo de xadrez, sempre existe uma jogada de resposta, um counter pick que tenha ao menos uma vantagem. Esse tipo de estratégia começa nos picks e bans.

8. Pela sua experiência no “high elo”, jogando muitas vezes contra os jogadores profissionais, quais você diria que são campeões fora do meta internacional, mas que poderiam causar um real impacto e que são “exclusivos” do Brasil, mas que não estão sendo usados?

Como mencionei antes, Sion mid é muito forte e pode ser usado 100% . Ainda, o Sion suporte também é muito forte mas não chega a ser algo inesperado por já ter sido usado na soloQ Coreana. É meio difícil dar receitas sobre isso pois muita coisa é boa, mas só é viável como counter pick para uma determinada lane e match up. Minha builds de "Heimerdinger Pokemon" costumam ser bem chatas de lidar.

9. Qual sua expectativa para a final, espera algum pick “diferente” por parte da Samsung Galaxy ou SK Telecom T1?

Com certeza eu gostaria muito de ver uma estratégia em cima de um campeão com alcance global, como Karthus, Twisted Fate, Shen, Pantheon, Nocturne. Talvez algo como um Shen + Evelyn ou mesmo Shen + Nocturne.

10. Obrigado pela entrevista, gostaria de deixar um recado para nossos leitores e para os seus fãs?

Amo vocês. Obrigados por fazer parte da minha vida <3 acredito muito na família twitch.

Esse foi o Grátis150ml, com sua visão bem interessante sobre meta e o que funciona em jogos, para acompanhá-lo mais, siga-o em suas redes sociais!

Twitter - Twitch