Notícias

Copa Brasil CSGO: Conheça o nosso time de casters

Por: Jairo Foxer Junior - Gamehall - 21/03/2017 02:16:42
Copa Brasil CSGO: Conheça o nosso time de casters

"O narrador é um vendedor de emoções, que anda constantemente no fio da navalha. De um lado, tem a emoção que você tem de vender e, do outro, a realidade dos fatos." (Galvão Bueno).

É com esta frase de um dos maiores comunicadores do Brasil, que gostaríamos de iniciar esta matéria que tem apenas um intuito: Apresentar ao público todo o nosso time de casters da Copa Brasil CS:GO e valorizar estes importantes profissionais.

Atualmente a bancada de casters do nosso grande campeonato de Counter Strike é composta por duas duplas de narradores e comentaristas, que irão realizar um revezamento de "semana sim e semana não", durante o torneio.

Para conhecermos um pouquinho melhor cada um deles, preparamos quatro perguntas padrões, de modo que cada um possa se apresentar, contar um pouquinho da sua história e revelar suas expectativas para a competição. Confira:

 

Primeira Dupla


Pablo "xrm" Oliveira (Narrador)

Foxer: Como nossa intenção é mostrar um pouquinho de cada narrador e comentarista da Copa Brasil CS:GO, nada melhor do que começarmos com uma breve apresentação. Conta para gente, quem é esta pessoa cuja voz irá salvar muitas de nossas segundas-feiras do tédio?

xrm: Meu nome é Pablo, mas no CS sou mais conhecido como xrm. Tenho 25 anos e sou formado em Rádio e TV. Jogo CS há muito tempo, desde o 1.5, mas nunca joguei profissionalmente nem nada, inclusive demorei pra começar a acompanhar realmente o cenário competitivo, mas desde que comecei, viciei e não parei mais.

 

Foxer: Há alguns casos em que a pessoa escolhe a profissão e outros que a profissão escolhe a pessoa. No seu especificamente, foi algo premeditado desde o começo ou aconteceu por "acaso"? Conte pra gente como tudo começou.

xrm:  Na verdade eu sempre trabalhei com produção e edição de vídeo, mas desde a faculdade já gostava de ser apresentador ou locutor nos trabalhos que a gente gravava. Inclusive fiz um curso de locução depois da faculdade, e até comecei a trabalhar como narrador de futebol em algumas rádios amadoras, mas lá o mercado já está muito saturado e foi bem difícil conseguir algum tipo de espaço relevante. Nesse meio tempo (mais precisamente em janeiro de 2016), comecei meu canal no YouTube, a CSTV, e lá dei início ao meu sonho de tentar trabalhar só com o CS, que já era minha grande paixão na época. O canal foi crescendo e em pouco tempo o Bida entrou em contato comigo para saber mais sobre os vídeos que a gente produzia, e oferecer uma parceria com a Gamers Club. Obviamente eu aceitei a parceria e logo na primeira oportunidade perguntei como funcionavam as narrações de CS, se existia algum espaço, e disse que eu sempre tive vontade de narrar. Foi aí que essa porta se abriu, o Bida me colocou em contato com o qeP e os dois me ajudaram a dar início à essa nova etapa da minha vida. Comecei narrando as menores ligas da GC e com o tempo fui pegando jogos mais importantes.

 

Foxer: Assim como todos os outros casters da Copa Brasil CS:GO, você começou por baixo e aos poucos fez o seu trabalho acontecer. Em que período dessa jornada lhe ocorreu que estava ficando tudo mais sério e que havia a possibilidade daquilo ser a sua profissão de fato?

xrm: Durante um bom tempo eu narrei as ligas da GamersClub de graça e sem esperar nada em troca, mas é obvio que a gente sempre tem aquela esperança de que algum dia as coisas podem começar a acontecer. Eu ainda acho que tudo está acontecendo muito mais rápido do que eu imaginei, até por conta da escassez de narradores de CSGO que moram em São Paulo, já que o Bida mora no Sul e o Otávio Neto no Rio, que são os dois principais narradores de CS. Por conta disso, e com o crescimento que o cenário vem tendo, acabaram surgindo alguns campeonatos aqui em São Paulo em que precisavam de narradores e o Bida e o Otávio não podiam narrar, como foi o caso da Intel Gaming Challenge, em Outubro de 2016, que foi o primeiro evento em que recebi para fazer. Fiz inclusive junto com o qeP! Foi aí que comecei a perceber que essa profissão tinha futuro e que apesar da preferência nacional da comunidade pelo Bida e pelo Otávio, uma hora ou outra iriam acontecer eventos que eles não poderiam fazer, aconteceu depois de novo na ComicCon Experience (XLG Super Cup) e agora na Copa Brasil. Eu fico muito feliz com essas oportunidades e vou dar o meu melhor para mostrar que mereço!


Foxer: A Copa Brasil CS:GO nos permitiu adicionar uma plataforma gigantesca em nossa transmissão e com ela iremos atingir um público ainda maior e inexplorado. Como é para você transmitir o CS:GO na tv?

xrm: Pra mim é irreal! Como disse na pergunta anterior, está tudo acontecendo muito mais rápido do que eu imaginava. Com menos de um ano narrando CS, já fiz dois eventos presenciais e agora estou indo pra minha primeira transmissão na TV, isso é loucura! Por um lado fico nervoso pela estreia na TV, mas muito ansioso também! Sem falar na felicidade de ver o CSGO crescendo e atingindo esse tipo de mídia. Agora a gente não para mais!

Otávio "bczz" Boccuzzi (Comentarista)

Foxer: Como nossa intenção é mostrar um pouquinho de cada narrador e comentarista da Copa Brasil CS:GO, nada melhor do que começarmos com uma breve apresentação. Conta para gente, quem é esta pessoa cuja voz irá salvar muitas de nossas segundas-feiras do tédio?

bczz: Meu nome é Otávio Boccuzzi, tenho 24 anos e sou de São Paulo – SP. Sempre acompanhei o cenário de CS 1.6 como espectador e no CS:GO comecei a criar vídeos com dicas e análises ao invés de só assistir. Com o convite do FalleN, entrei para a Games Academy e, hoje em dia, além de comentarista e analista, eu continuo produzindo conteúdos para a comunidade.

 

Foxer: Há alguns casos em que a pessoa escolhe a profissão e outros que a profissão escolhe a pessoa. No seu especificamente, foi algo premeditado desde o começo ou aconteceu por "acaso"? Conte pra gente como tudo começou.

bczz: Foi tudo ao acaso, comecei a produzir vídeos de dicas para ajudar meus amigos, até que um dia o FalleN entrou em contato comigo e me ofereceu espaço na Games Academy. Aproveitei a chance e desde então não parei de criar conteúdo. Foram mais de 50 vídeos de dicas, 71 vídeos de opinião e muitos outros vídeos não contabilizados espalhados pela internet. No meu site eu falo detalhadamente sobre o passo a passo da minha história dentro do CS:GO. Para quem for curioso, vale a pena da uma olhada (clique AQUI para acessar o site).

 

Foxer: Assim como todos os outros casters da Copa Brasil CS:GO, você começou por baixo e aos poucos fez o seu trabalho acontecer. Em que período dessa jornada lhe ocorreu que estava ficando tudo mais sério e que havia a possibilidade daquilo ser a sua profissão de fato?

bczz: Logo que entrei pra Games Academy participei do GA Lan Cup, o primeiro grande torneio presencial de CS:GO Brasileiro. Lá tive um pouco desse sentimento que as coisas se tornariam mais sérias. Porém, o momento que realmente caiu a ficha foi com a vinda da MAX5 Invitational no começo de 2016, quando fui convocado pela arena para transmitir o campeonato ao lado de feras do Esport (BiDa, gORDOX e cia). Depois da MAX5 tivemos as transmissões na TV com o Esporte Interativo e SporTV. Ambas agregaram muito na minha experiência e currículo, hoje em dia sou o único comentarista que participou de todas essas grandes iniciativas e sou muito grato por isso.

 

Foxer: A Copa Brasil CS:GO nos permitiu adicionar uma plataforma gigantesca em nossa transmissão e com ela iremos atingir um público ainda maior e inexplorado. Como é para você transmitir o CS:GO na tv?

bczz: Sou muito grato pelo convite, CS:GO é minha paixão e participar de iniciativas grandiosas como essa é muito importante e emocionante. Tudo isso foi conquistado também graças ao apoio da comunidade que sempre está nos incentivando com comentários e likes nos conteúdos que postamos. Apesar de não ser minha primeira vez na TV, sempre existe aquele sentimento de insegurança, é um novo campeonato, uma nova transmissão e um novo time se unindo para cobrir o torneio. Com certeza vamos melhorando ao longo dos meses.

Segunda Dupla


Ricardo "qep" Fugi (Narrador)

Foxer: Como nossa intenção é mostrar um pouquinho de cada narrador e comentarista da Copa Brasil CS:GO, nada melhor do que começarmos com uma breve apresentação. Conta para gente, quem é esta pessoa cuja voz irá salvar muitas de nossas segundas-feiras do tédio?

qep: Olá, meu nome é Ricardo Fugi , moro em São Paulo e sou narrador de CS:GO. Resumindo, o Ricardo Fugi é uma pessoa simples, que sempre está sempre rindo e é bem fácil de se conquistar. Já o "qep" é um narrador semi profissional, apaixonado pelo game, estudante de narração e torcedor fanático dos times brasileiros.

 

Foxer: Há alguns casos em que a pessoa escolhe a profissão e outros que a profissão escolhe a pessoa. No seu especificamente, foi algo premeditado desde o começo ou aconteceu por "acaso"? Conte pra gente como tudo começou.

qep:  No meu caso foi premeditado. Comecei a fazer transmissão de jogos em 2010 em um outro fps. Fazia por necessidade, para outros jogadores que queriam ver os jogos. Em 2014 passei a jogar CS:GO e também a acompanhar o cenário competitivo. Em 2015 pedi uma chance ao Bida, na mesma época em que a Games Academy tinha lançado 3 casters. O próprio Bida pediu para eu ir treinando narração e esse período durou 4 meses. No dia 16 de Março realizei meu sonho de fazer uma narração de CSGO pela Games Academy e estou até hoje vivendo este sonho.

 

Foxer: Assim como todos os outros casters da Copa Brasil CS:GO, você começou por baixo e aos poucos fez o seu trabalho acontecer. Em que período dessa jornada lhe ocorreu que estava ficando tudo mais sério e que havia a possibilidade daquilo ser a sua profissão de fato?

qep: Eu sempre levei muito a sério a narração, independentemente de ser ou não remunerado. A paixão e a disposição foi e sempre será a mesma. Mas para não fugir da pergunta, acho que oportunidades grandes de fazer eventos presenciais, como a XLG Supercup na Comic Con, me fizeram sentir que aquela pessoa que ficava apenas narrando sozinho no quarto virou algo sério.

 

Foxer: A Copa Brasil CS:GO nos permitiu adicionar uma plataforma gigantesca em nossa transmissão e com ela iremos atingir um público ainda maior e inexplorado. Como é para você transmitir o CS:GO na tv?

qep: Sinceramente para mim ainda não caiu a ficha de que realmente eu irei fazer uma narração na TV. Quando pequeno sempre sonhei em ser locutor esportivo e imagino que se eu conseguir motivar os espectadores a lutar por seus sonhos, pois só assim eles poderão alcançá-los, esta seria minha maior satisfação.

Guilherme "GuizaO" Kemen (Comentarista)

Foxer: Como nossa intenção é mostrar um pouquinho de cada narrador e comentarista da Copa Brasil CS:GO, nada melhor do que começarmos com uma breve apresentação. Conta para gente, quem é esta pessoa cuja voz irá salvar muitas de nossas segundas-feiras do tédio?

GuizaO: Meu nome é Guilherme Kemen, sou conhecido como GuizaO e tenho 31 anos. Fora trabalhar com transmissão de CSGO e streams, também trabalho na área de importação. Sou de São Paulo e atualmente moro em São Caetano do Sul e para a tristeza da mulherada, sou casado. Comecei a jogar Counter Strike em 2001, na versão 1.0, meu nick na época era Gambit, joguei por 4 anos e parei. Depois disso nunca larguei o jogo de vez, mas sempre por apenas diversão e não competitivo.

 

Foxer: Há alguns casos em que a pessoa escolhe a profissão e outros que a profissão escolhe a pessoa. No seu especificamente, foi algo premeditado desde o começo ou aconteceu por "acaso"? Conte pra gente como tudo começou.

GuizaO: Foi totalmente por acaso. No início de 2016 eu estava disputando a Liga Amadora com um time de amigos por diversão, quando o narrador Qep precisou de um comentarista e acabou chamando um colega de time, o Katarina. No meio da transmissão esse meu amigo teve problemas com o microfone e eu me ofereci para substituí-lo. A partir disso eu tomei gosto pela coisa, o Qep gostou do meu desempenho e foi aí que começou nossa parceria de sucesso. No início narravamos apenas Liga Amadora, depois principal, até chegar a Liga Profissional e outros campeonatos importantes. Ao longo do tempo, outros narradores me deram oportunidades de trabalhar com eles, e com isso fui buscando meu espaço no cenário ao longo de 2016. Agora, aqui estou.

 

Foxer: Assim como todos os outros casters da Copa Brasil CS:GO, você começou por baixo e aos poucos fez o seu trabalho acontecer. Em que período dessa jornada lhe ocorreu que estava ficando tudo mais sério e que havia a possibilidade daquilo ser a sua profissão de fato?

GuizaO: Senti que teria uma possibilidade de fato quando torneios maiores foram aparecendo para eu fazer, tanto os nacionais quanto internacionais. Também fui vendo o feedback das pessoas do cenário, desde os jogadores, personalidades até os espectadores. Com isso tudo eu vi que tinha a possibilidade de surgir algo mais sério e não parei de me dedicar em nenhum momento, sempre participando de transmissões como comentarista, fazendo elas eu mesmo ou então contribuindo para o cenário de alguma maneira.

 

Foxer: A Copa Brasil CS:GO nos permitiu adicionar uma plataforma gigantesca em nossa transmissão e com ela iremos atingir um público ainda maior e inexplorado. Como é para você transmitir o CS:GO na tv?

GuizaO: Para mim é uma realização ver o CSGO na televisão. O Counter Strike é um jogo que jogo desde a versão 1.0, quando tinha apenas 15 anos, e nunca sonhei em ver esse game ser transmitido na TV, o que dirá participar de uma transmissão na TV, é inexplicável! Acho que nem nos meus maiores sonhos eu conseguiria imaginar isso e estou extremamente feliz e realizado com o caminho que estou trilhando. Só tenho a agradecer a todos que me ajudaram nessa caminhada, tanto os que me deram oportunidades dentro do cenário, assim como as pessoas que gostam do meu trabalho e sempre me apoiam, seja com mensagens de elogios ou então com críticas construtivas, pois estou sempre tentando melhorar cada vez mais, para tornar a transmissão sempre melhor.

Saiba tudo sobre a Copa Brasil